Por Rubens Faria

É comum pensarmos no início do ano como um reset, como se as festas fossem um carnaval de exageros e os primeiros dias do ano, uma grande segunda-feira. É o ciclo que se fecha para abrir-se em novas possibilidades. O famoso “agora vai”.

Geralmente, é nesse período que nasce uma forte motivação para dar início aos adiados planos de uma vida nova. Se exercitar mais, mudar de emprego, abandonar um vício antigo, emagrecer, começar a meditar, ler tantos livros por mês, ter hábitos mais saudáveis… São resoluções que não acabam mais.

Se por um lado é bom traçar objetivos para mudar de vida, por outro é importante estar alerta para que as metas não se tornem um problema. Em entrevista exclusiva ao Residencial Aurora, a Psicóloga Silmara Batista (CRP 06/87823) aponta que “quando esses objetivos trazem sensações de incapacidade, frustrações, desânimo, eles trabalham ao contrário de seu propósito inicial. Definir muitas metas ao mesmo tempo, mais arrojadas e de longo prazo, são fatores que podem gerar a ansiedade de não conseguir cumprí-las”.

A saída para alcançar seus objetivos ao longo do ano é traçar metas mais realistas. Confira as dicas que a profissional compartilhou conosco para você cumprir seu check-list de 2021!

Saia do ponto A para o ponto B: ao invés de definir metas agressivas, suba primeiro nos degraus mais baixos. “Mudanças drásticas requerem muitas concessões e ajustes de nossa parte. Sair de um patamar no qual você não fazia exercícios para começar a se exercitar diariamente pode ser um passo muito grande e, uma vez que você não consiga cumpri-lo, isso gera frustração e sentimento de incapacidade. Comece devagar, com metas de curto prazo, como se exercitar três vezes na semana, por exemplo”, orienta Silmara.

Não se compare: não se deixe levar por metas impactantes que você vê nas redes sociais. O que é importante para o outro pode não ser o que você precisa. “Evite se comparar com as outras pessoas, leve em consideração as pequenas coisas que são importantes para você mudar agora. Às vezes, sua meta para 2021 é descansar mais, e não ser mais produtivo como o influenciador que você segue. Comparações são ansiogênicas, isto é, geram ansiedade; a única comparação que você tem de fazer é se comparar consigo mesmo”, explica.

Simplifique o processo: segundo Silmara, “as mentes ansiosas enxergam um monte de coisas para fazer de uma vez e entendem que precisam fazer todas aquelas coisas ao mesmo tempo. Isso torna complexo o processo de mudança, como se desse um ‘baque’ na rotina. Não precisamos fazer tudo de uma vez. É melhor mudar um hábito de cada vez, dar o tempo para incorporar seus novos hábitos e só então dar um passo maior”.

Atente-se aos sinais: a Psicóloga esclarece quando as metas se tornam um problema: “quando suas resoluções começam a despertar sensações de incapacidade, frustrações e desânimo, o que era para ser motivador, acaba tendo efeito contrário e isso pode fazer com que você desista”.

A motivação do começo do ano é um fogo-de-palha: Silmara explica que “naturalmente, essa motivação de mudar de hábitos ao começo do ano acaba em torno de duas semanas. Você não pode contar com a motivação para percorrer todo o caminho de transformação. É importante aproveitar a empolgação inicial para sair da inércia, mas depois dela, agarre-se ao compromisso com o processo, ao invés de pensar apenas nos resultados. Tenha sempre em mente que a disciplina para fazer as resoluções acontecerem é mais importante do que a motivação de se atingir o resultado”. Como diz o poeta, a coisa mais importante de uma história é a trama, e não o desenlace.

Transforme os objetivos em processos: segundo Silmara, “se o seu objetivo é emagrecer, é mais importante você saber que precisa se exercitar e mudar hábitos alimentares do que focar em quanto você quer pesar. Os números na balança são subjetivos e não dizem sobre o que temos que fazer para subtraí-los”.

Seja flexível: a profissional continua: “sua agenda para cumprir os objetivos precisa ser maleável. A adaptação a novos hábitos é um processo longo e precisa de ajustes ao longo do caminho. Se sua meta é acordar duas horas mais cedo e você não está conseguindo, comece acordando quinze minutos mais cedo na primeira semana, meia hora mais cedo nas próximas duas semanas, assim até atingir sua meta. O caminho para não desistir é ser flexível e entender que nem tudo depende de nós ou de nossa força de vontade”.

Valorize-se: conseguiu acordar quinze minutos mais cedo durante duas semanas? Reconheça essa sua conquista. Reconhecimento é um sinal de que você está no caminho certo, independente do quanto você percorreu nesse trajeto.

Saiba se recompensar: a profissional faz um adendo às recompensas que você pode se dar a cada vitória. “É importante que essas recompensas tenham a ver com seu compromisso e sejam direcionadas ao seu objetivo. Se sua meta é se alimentar melhor, não adianta passar um final de semana comendo besteiras como comemoração. Essa é uma ideia sabotadora, pois seus comportamentos geram culpa e não favorecem as resoluções. Se dê um dia de beleza, por exemplo, com máscaras para o rosto e para os pés, pois isso vai trazer bem-estar, que tem a ver com seu objetivo inicial”.

Faça um diário: se o seu objetivo é ler mais, por exemplo, monitore os dias em que você leu e anote qual foi o impacto disso nas suas ideias. “Entender quais são os benefícios reais e práticos que a mudança de hábito está trazendo para você pode te motivar a fazer mais e melhor”, diz a Psicóloga. É como um ciclo vicioso positivo.

Planeje-se: Silmara orienta que ficar pensando em cima da hora sobre o que fazer é desgastante. “Planejar e tomar decisões antecipadas é se programar para a coisa dar certo. Pensar na beira do fogão sobre o que cozinhar, se você quer se alimentar melhor, por exemplo, pode ser desgastante e gerar mais ansiedade. Se você decide o cardápio antes, é só ter o compromisso com o que foi planejado e pronto, você cumpriu sua meta naquele dia”.

Conviva com sua ansiedade: Silmara afirma que “acabar totalmente com a ansiedade é uma utopia. Qualquer tarefa que vamos cumprir pode gerar ansiedade, e ela é um sentimento importante que nos motiva a concluir ações. Contudo, se a ansiedade estiver fazendo com que você evite tudo, se ela está te impedindo de realizar suas metas, vale a pena buscar ajuda profissional de um psicólogo”.

Deixe uma resposta Cancelar resposta